• Mar Bahia

Aratu Iate Clube conquista a realização inédita do Brasileiro HPE25 na Bahia

Em 2022, a Bahia promete ser a capital nacional de uma das classes de Vela que mais crescem no país. Pela primeira vez, o estado vai receber o Campeonato Brasileiro da Classe HPE25, que chegará à sua 17a edição já com novidades.

Foto: Will Recarey

A conquista em sediar o evento é do Aratu Iate Clube (AIC), que este ano completou 60 anos e vem implementando um trabalho forte de valorização da Vela, criando no clube a Flotilha Baiana de HPE25, atualmente com nove embarcações, e a promessa de um aumento considerável de novos barcos.


"Capitaneado pelo seu comodoro, Pedro Mutti, o AIC vem se destacando no apoio incondicional aos velejadores, sendo o local de guarda de todas as embarcações da classe e promovendo campeonatos mensais, incluindo o Baiano de HPE25, que contou com a participação de juízes internacionais a exemplo do juiz Nelson Ilha e Cuca Sodré. O evento serviu como uma prévia para o que vem aí no Brasileiro no ano que vem, declara André Costa, gerente do AIC e capitão da flotilha na Bahia.


O Mar Bahia conversou também com o presidente nacional da Classe HPE25, Cassio Ashauer, que confirmou a importância da realização do evento em águas baianas. "Eu acho que a Bahia tem algumas características importantes nesta conquista, como, logo de cara, quebrar a hegemonia do Rio de Janeiro e São Paulo na realização destes campeonatos em seu primeiro ano de formação da flotilha, através do entusiasmo de seu capitão, André Costa. E isso é maravilhoso porque o Brasil é muito diverso e cheio de possibilidades. Tenho certeza que essa edição será um grande sucesso", conta Cassio.

Foto: Will Recarey

Inclusão e diferenciais

E o que a classe debutante tem de tão especial para ter um crescimento tão expressivo no Brasil? Uma mistura de diversão, baixo custo, um barco fácil e rápido de se velejar, além de um clima de muita amizade entre os velejadores (Gentleman’s Boat).

Foto: Will Recarey

Um outro diferencial é a inclusão, com a possibilidade da participação de velejadores de todas as idades e gêneros. "Um nome de peso como o de Eduardo Souza Ramos (velejador nos Jogos Olímpicos de 1980 e 1984, e um dos principais executivos do país) acabou de se tornar campeão brasileiro da classe, com nada menos que 76 anos. A técnica conta mais do que a compleição física de quem veleja, que pode ser a de um homem, uma mulher ou ainda velejadores que estão saindo da vela jovem para este universo de transição cheio de possibilidades", declara Cassio.


Made in Brasil

Atualmente, a classe HPE conta com cerca de 50 embarcações ativas no Brasil. Com média de valor em torno de $45mil, os modelos novos são construídos na cidade de Indaiatuba, em São Paulo, por uma referência no segmento, o projetista Marco Landi. Mas, já quando o assunto é comprar um HPE usado, de acordo com Cassio, quase não há ofertas. "A premissa de construção deste modelo é que ele seja o mais simples possível, espartano mesmo. O objetivo é ter um barco relativamente simples, para uso da classe média e quer se divertir aos fins de semana; e isso eleva muito a sua procura".

Foto: Will Recarey

O Brasileiro de HPE25 acontece entre os dias 10 e 15 de novembro de 2022, com sede no Aratu Iate Clube, devendo reunir cerca de 30 embarcações do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Porto Alegre. "Fazer um campeonato deste porte na Baía de Todos-os-Santos é um sonho antigo nosso, e isso só foi possível com o entusiasmo da turma local. O desafio agora é encontrarmos patrocinadores para fazer com que os barcos de outros estados possam ser transportados com segurança até a Bahia. Queremos fazer uma edição inesquecível, até porque vocês fazem festa como ninguém. A expectativa da flotilha nacional é altíssima!", conclui Cassio.

0 comentário