top of page
  • Foto do escritorMar Bahia

Festa de Yemanjá: conheça um pouco da história e suas curiosidades

Deusa das Águas. Rainha do Mar. Yemanja, Iemanja, Yemoja, Iemoja. Os nomes podem ser muitos para designá-la, mas no fim das contas transparentes dos que a trazem no pescoço, Yemanjá traz o sentido essencial de quem é na expressão Iorubá: "A mãe cujos filhos são peixes".

Foto: Site Mar Bahia

Antecedendo as comemorações em sua homenagem no 2 de Fevereiro, o Mar Bahia reuniu algumas curiosidades em torno da data que, de acordo com os principais registros históricos, surgiu em 1924, quando pescadores da região do Rio Vermelho, então uma pequena enseada, resolveram oferecer presentes a Yemanjá, em razão da enorme escassez de peixes vivida por eles. Segundo os primeiros relatos, a primeira oferenda reunia apenas bonecas, enfeites e perfumes dentro de uma caixa de papelão, onde jangadeiros e saveiristas depositaram sua fé, iniciando um ritual que este ano completa 100 anos.


Veja também:


A escultura de Iemanjá localizada em frente à Casa do Peso foi confeccionada por Manoel Bonfim em 1970. Trata-se de uma escultura de uma sereia feita de gesso, assentada sobre pedestal de concreto revestido com apliques variados, conchas e pedras portuguesas. É de propriedade da Colônia de Pesca Z-1.


O Buraco de Yayá


Com o presente posto, estava também de volta a fartura dos peixes. Nos anos seguintes, as oferendas foram mantidas - sempre na mesma data e cada vez mais elaborados. Como a maior parte dos pescadores tinham descendência e religião africana, uma mãe de santo conhecida como Julia Bugã comandou os trabalhos das demais oferendas, iniciando outra tradição: a do Presente Principal oferecido a Yemanjá, em torno do qual estão cercados alguns mistérios. O maior deles, no local onde é afundado, que permanece o mesmo desde o primeiro presente.


“Na época, os pescadores chamavam o local de “Buraquinho de Yayá”. O “buraquinho”, por outros chamado de “Loca da Sereia”, fica a cerca de 7km da costa e 40m de profundidade.


O barco e o presente


Quem acompanha a procissão do 2 de fevereiro no mar sabe que a embarcação responsável por levar o Presente Principal e os muitos balaios oferecidos pela multidão que faz uma fila interminável em frente à Casa de Yemanjá, é o barco “Rio Vermelho”, seguindo uma tradição entre os próprios pescadores da colônia.


Já a escolha do presente principal é feita através de uma comissão entre a ialorixá, o presidente da colônia e outros representantes. O presente demora cerca de um mês para ficar pronto. O curioso é que os pescadores da colônia não participam diretamente desta escolha.

0 comentário

Comments


bottom of page