• Mar Bahia

Projeto baiano monitora ecossistemas na BTS

O comportamento de alimentação de peixes recifais nos recifes baianos são monitorados utilizando câmeras subaquáticas como essa demonstrada na foto - o que ajuda a entender os processos biológicos do ecossistema. Essa estrutura foi desenvolvida pelo Projeto Corais da Bahia para avaliar os impactos da abundância do Coral-Sol invasor sobre as atividades de alimentação de peixes sobre algas e corais nativos nos recifes da Bahia.


Veja também:

Você conhece o Coral Sol?

Fórum de Sustentabilidade da Baía de Todos os Santos ganha novas datas

Poças de maré no mar da Bahia abrigam incrível diversidade marinha

Resultados de pesquisas realizadas pelo Projeto demonstram os impactos da invasão do Coral-Sol (Tubastraea tagusensis e T. coccinia) sobre as interações entre peixes recifais e espécies bentônicas nativas. Câmeras subaquáticas foram utilizadas para filmar o comportamento de alimentação de peixes sobre algas e corais nativos em áreas com diferentes percentuais de cobertura do coral-sol. Não foi observado predação dos peixes nativos sobre o Coral-Sol e as áreas onde a abundância desse coral invasor foi alta (21%) os peixes tiveram uma redução do número de mordidas sobre espécies de algas e corais nativos. Esse efeito da abundância do coral invasor ocorreu principalmente sobre o grupo trófico de peixes "herbívoros errantes" (peixes que se alimentam geralmente de algas e detritos do substrato) que inclui os peixes conhecidos popularmente como budiões ou peixe-papagaio como a espécie Scarus zelindae e os barbeiros ou cirurgiões como a espécie Acanthurus coeruleus.


A densidade dos peixes herbívoros errantes também foi menor nas áreas dominadas pelo coral-sol. Os autores comentam que as armas químicas (alcalóides) do coral-sol podem inibir a predação dos peixes e as áreas dominadas por esse invasor podem estar sendo evitadas por peixes "durante a hora do almoço". Como a atividade de alimentação dos peixes sobre o substrato contribui para o bom funcionamento dos processos do ecossistema, o efeito do coral-sol pode ter alterado a dinâmica e funções dos recifes de corais estudados. Por fim, os autores sugerem que ações de manejo sejam implantadas para controlar novas introduções sobre as plataformas de petróleo (principal vetor de introdução) e controlar a abundância do coral-sol mantendo a cobertura percentual no substrato abaixo do limiar de 21%.


Foto: Ricardo Miranda


#coralsol #baiadetodosossantos #biologiamarinha #marbahia

© 2017. Mar Bahia. Todos os direitos reservados.