top of page
  • Foto do escritorMar Bahia

Definido o samba que homenageará a Baía de Todos-os-Santos no Carnaval 2023

A Escola de Samba Unidos da Tijuca, que homenageará a Baía de Todos-os-Santos no Carnaval 2023, já tem definido o samba-enredo que levará a cultura da BTS para o mundo inteiro no dia 19 de fevereiro. Venceu a obra feita em parceria por Julio Alves, Cláudio Russo e Tinga com o tema "É onda que vai… É onda que vem… Serei a Baía de Todos os Santos a se mirar no samba da minha terra", do carnavalesco Jack Vasconcelos. A escolha foi feita na madrugada deste domingo (23) na quadra da escola.


Ao Mar Bahia, o guia de turismo, presidente do Observatório da Baía de Todos os Santos e um dos grandes responsáveis por essa campanha da Baía de Todos-os-Santos como enredo, Moisés Cafezeiro, falou sobre a importância deste momento.

"Eu montei um roteiro com os principais pontos da Baía de Todos-os-Santos, a fim de que os sambistas pudessem extrair material para suas composições. Ao todo, foram tirados 30 sambas até a escolha deste que é o oficial a partir de agora. A escolha foi feita ontem com uma festa que reuniu mais de 10 mil pessoas na Sapucaí (RJ). As pessoas estão muito felizes com o enredo, que já chega com cara de campeão".


Ainda segundo Moisés, é importante destacar que antes mesmo do carnaval, já há uma ótima contrapartida para o Estado, uma vez que a matéria-prima das criações e seus adereços está sendo comprada na Bahia.


A Unidos da Tijuca vai falar do berço da civilização brasileira, de uma baía sem "h" ainda muito desconhecida. O desfile será transmitido para 190 países, em mais de dez idiomas, então, a divulgação para a BTS é imensurável".

Confira a letra e ouça a música do do samba-enredo vencedor:

Compositores: Julio Alves, Cláudio Russo e Tinga


Um banho de axé pra purificar

Um banho de axé nas águas de Oxalá

Sou tjucano rompendo quebrantos

Eu canto a Baía de todos os Santos


Oh! Mãe deste meu espelho d água

O mar interior tupinambá

Kirimurê das ondas mansas

Onde aprendi a navegar

No primeiro de novembro

Da real capitania

No olhar dos invasores

A cobiça, a maresia

Nesse eterno dois de julho

Sou caboclo rebelado

Terra que banho de luta

Pau Brasil, barril dobrado


Ilu Ayê toca o sino da igrejinha

Ilê Ayê atabaques e agogôs

Pra louvar meu Santo Antônio

Pra saudar meu pai Xangô (kaô meu pai kaô)


Beira de baía que desagua minha fé

Pode ser na missa, ou no xirê do candomblé

Marinheiro só, Marinheiro só

O leme do meu Saveiro

Quem conduz é o Pai Maior

Bota dendê e um cadinho de pimenta

Que a marujuda vem provar o vatapá

É no mercado, na Lapinha ou na Ribeira

Se tem samba e capoeira

Camafeu também está

Odoyá Mamãe sereia

Orayeyeô Mamãe do Ouro

No encontro dessas águas, reluziu o meu tesouro

Opaí ó! É carnaval, onde a fantasia é eterna

Com a Tijuca, a paz vence a guerra

E viver será só festejar




0 comentário

Comments


bottom of page