top of page
  • Foto do escritorMar Bahia

Polvos e lulas inspiram tintas que mudam de cor

Uma nova tinta que muda de cor conforme a necessidade vem sendo testada em laboratórios chineses. A inspiração vem da capacidade inata da camuflagem de polvos e lulas . A experiência foi registrada em um artigo científico publicado este mês na revista Nature.

Foto: Pixabay

Na natureza, muitos animais mudam de cor para finalidades diversas, como disfarce para atacar presas, ou o inverso, para se proteger de predadores, por exemplo. Eles fazem isso usando os chamados cromatóforos.


Também conhecidas como cromatócitos, essas células da derme são compostas por minúsculos sacos de pigmento que podem se expandir ou contrair, e as combinações de quais pigmentos coloridos são visíveis ou ocultos a qualquer momento concedem à pele do animal uma cor ou padrão específico.

O produto contém microesferas feitas de dióxido de titânio e tingidas de ciano, magenta e amarelo, reconhecidamente as cores principais de alguns sistemas de impressão, graças à sua capacidade de reproduzir outras cores por meio de combinações variadas.

Essas microesferas de cores diversas sobem ou afundam em resposta a diferentes comprimentos de onda de luz, fazendo com que a tinta assuma uma cor específica sob demanda.


O segredo está no dióxido de titânio, que cria uma reação redox (processo químico que envolve transferência de elétrons de uma molécula, átomo ou íon para outro reagente) em resposta à luz que lança as microesferas em diferentes direções.


Assim, a luz verde, por exemplo, leva as microesferas amarelas e ciano para a superfície para tornar a tinta verde, enquanto as magentas vão para o fundo. Em testes, a equipe demonstrou que o sistema era capaz de reproduzir uma série de imagens que eram projetadas nas superfícies.

0 comentário

Comments


bottom of page