• Mar Bahia

O que você vai oferecer a Yemanjá?


Foto: Site Mar Bahia

"Mãe d'água, rainha das ondas, sereia do mar, mãe d'água, seu canto é bonito quando tem luar; como é lindo o canto de Iemanjá, faz até o pescador chorar..."


A música que embala tantas homenagens à Rainha do Mar é também um singelo e poderoso presente a Yemanjá no dia 2 de Fevereiro. Pelo menos para muitos seguidores do candomblé, como inovou há quatro anos a ialorixá Mãe Stela de Oxossi, morta em 2019. "Meus filhos são orientados a oferendar Iemanjá com harmoniosos cânticos. Quem for consciente e corajoso entenderá que os ritos podem e devem ser adaptados às transformações do planeta e da sociedade", declarou Mãe Stela, em entrevista ao jornal A Tarde.


Além de seguir as transformações impostas pelo mundo atual, a iniciativa segue em contraponto à maior parte das homenagens tradicionais, feitas com flores, objetos plásticos, vidros e inúmeros materiais que poluem o mar. A festa ganhou força não apenas no culto, mas também em dimensões de participação popular, que independente da religião, multiplicam as oferendas , muitas vezes sem a devida conscientização ambiental.

Foto: Site Mar Bahia

Veja também

Salve a Rainha do Mar: conheça um pouco da história e suas curiosidades

As recomendações para quem vai para o mar da Festa de Yemanjá A festa é de Yemanjá


O mergulhador e ativista do grupo ambiental Fundo da Folia, Bernardo Mussi, conta o que resta para o mar após a festa. "O que vimos embaixo d'água foi uma sopa de plásticos, dezenas de balaios e outros materiais que iam se misturando para formar grandes emaranhados de resíduos sobre os corais da região. Tiramos uma parte pois a ação durou pouco mais de uma hora, mas ficamos super felizes pela boa energia naquele dia. Foi tudo lindo! E os Jardins da Casa de Iemanjá ficaram um pouco mais limpos e saudáveis".


Vale lembrar que prevenir e reduzir o  lixo marinho é um dos 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela ONU (Organização das Nações Unidas), no intuito de proteger os oceanos. Para se ter uma ideia, o plástico leva em média 400 anos para se decompor no mar, o vidro cerca de um milhão de anos, papel seis meses, isopor em média 80 anos e metal 100 anos.


Então, fica o apelo. Se você ama o mar, respeite esta força, este lugar, esta casa cuja dona pede mais do que presentes, pede respeito. Odoyá!

PATRIMÔNIO IMATERIAL

Com quase 100 anos de existência, a Festa de Yemanjá se tornará neste sábado (1), Patrimônio Imaterial de Salvador. A cerimônia acontece a partir das 10h, na Colônia de Pescadores do Rio Vermelho, marcando a festa no “Livro do Registro Especial dos eventos e Celebrações”. O processo será realizado pela Prefeitura de Salvador, por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM).


PROGRAMAÇÃO

A programação oficial da Festa de Yemanjá começa no sábado (1º), com a abertura do caramanchão que será montado do lado da Colônia de Pescadores Z1, às 7h. No domingo, às 5h, haverá uma alvorada de fogos de artifício, que a marca a chegada do presente principal (que é mantido em segredo pela colônia de pescadores) ao Rio Vermelho.


Veja mais sobre a programação aqui


Na madrugada do mesmo dia, antes das homenagens à Iemanjá, é feita uma celebração a Oxum, orixá das águas doces, a partir de 2h30, no Dique do Tororó. No Rio Vermelho, a procissão para entrega do presente no mar acontece às 15h30.


#yemanja #2defevereiro #bahia #riovermelho #orixas #candomble #mar #oceao #cultura #marbahia

© 2017. Mar Bahia. Todos os direitos reservados.